Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 11 de julho de 2011

David Byrne, ex-Talking Heads, quer andar de bicicleta em SP


 . Foto: André Conti/Divulgação
David Byrne na Flip
Foto: André Conti/Divulgação


O músico David Byrne, líder da extinta banda Talking Heads, tornou-se nos últimos anos um conhecedor dos desafios enfrentados por ciclistas em diferentes cidades no mundo. A ponto de idealizar um fórum para debater "cidades, bicicletas e o futuro da mobilidade". A primeira edição do encontro será realizada na próxima terça-feira (12), no Sesc Pinheiros, em São Paulo.
Será uma oportunidade para debater o tema e também para o músico experimentar as ruas da capital paulista sobre duas rodas. "Eu pretendo andar de bicicleta em São Paulo. Todo mundo diz que é impossível. Sempre dizem 'boa sorte'. Digo se ainda estiver vivo depois", disse Byrne a jornalistas, em entrevista concedida neste sábado durante a Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), no Rio de Janeiro. Neste domingo, ele participará de uma mesa de debates junto com o especialista em planejamento urbano Eduardo Alcântara Vasconcellos.
Ao comentar incidentes recentes entre ciclistas e motoristas, como o ocorrido no início deste ano em Porto Alegre, quando um motorista atropelou dezenas de ciclistas, Byrne disse que há conflitos também em outras metrópoles, como Nova York. O músico diz, no entanto, que algumas estatísticas apontam redução no número de acidentes envolvendo carros e ciclistas à medida que os motoristas ficam mais acostumados às bicicletas.
Byrne reconhece que muitas vezes é difícil as pessoas criarem o hábito de usar bicicleta, mas considera que a missão não é impossível. "Na Dinamarca se dizia que as pessoas nunca iriam abandonar seus carros ou abrir mão das vagas de estacionamento, mas isso aconteceu. Pode-se pensar o mesmo sobre nova-iorquinos, brasileiros, e achar que os dinamarqueses mudaram porque são diferentes, mas, no início, eles também resistiram".
Liberdade
O gosto pela bicicleta teve início em uma tentativa do músico de sair do esquema típico das turnês, em que só se conhece hotéis. "Percebi que se eu não deixasse esse estilo ficaria louco. Usar a bicicleta foi uma forma de garantir minha sanidade mental e entender melhor as cidades que visitei".
A bicicleta, contou, trazia uma certa liberdade, livrando-o da preocupação com táxis ou paradas de ônibus ou estações de trem. "Eu era dono da minha vida de novo, o que era uma ótima sensação. Os aspectos ambientais e ecológicos disso foram um efeito colateral. O aspecto emocional foi o primordial". Algumas de suas experiências estão relatadas no livro Diários de Bicicleta.
Questionado sobre quais as melhores cidades em que pedalou e as piores, disse que, como o esperado, as melhores são aquelas que têm estruturas para os ciclistas, como as europeias Copenhagen, Berlim, Amsterdã. A que ganha o "prêmio" de pior cidade para ciclistas, na opinião de Byrne, é Hong Kong. "Poderíamos pensar que, por ser chinesa, a cidade tem muitas bicicletas, mas, como foi uma colônia britânica, Hong Kong não tem infraestrutura para ciclistas. Lá tem muitas indústrias e manufaturas, mas é uma cidade fundamentalmente de bancos. Quando conseguirmos colocar os banqueiros andando de bicicletas talvez a situação será diferente".
O músico avaliou ainda que, muitas vezes, o mais interessante é descobrir caminhos em cidades que não têm infraestrutura para ciclistas. "Em Roma, quase ninguém usa bicicleta e, por isso, o trânsito é caótico. Mas descobri que é uma cidade que é muito fácil percorrer de bicicleta".
Maconha
Byrne não abandonou a música, apesar de ter descartado uma volta do Talking Heads. Recentemente, participou da trilha sonora do documentário Quebrando o Tabu, em que o ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso defende a descriminalização das drogas. O músico esquivou-se à pergunta sobre se era a favor da legalização da maconha. "É uma pergunta complicada. Concordo que a guerra contra as drogas fracassou. O que o filme propõe é olharmos para experiências de outros lugares que deram certo como uma alternativa".
fonte:

Diários de Bicicleta Autor: David Byrne - Editora: Amarilys



Desde o início dos anos 80, David Byrne tem usado a bicicleta como principal forma de locomoção em Nova York, cidade onde vive. Quando viaja ou sai em turnê, ele sempre leva consigo uma bicicleta dobrável. A princípio, tal decisão foi tomada por mera conveniência. No entanto, quanto mais cidades visitava, mais o músico se tornava adepto desse meio de transporte e da sensação de liberdade que ele proporciona. Ao conhecer novos lugares (ou o próprio lugar onde vive) sobre duas rodas, Byrne percebeu ser possível ampliar a percepção dos ritmos e dinâmicas características de uma cidade, de sua geografia e de seus habitantes, e passou então a registrar em um diário suas observações e descobertas sobre as metrópoles por onde passava.
Diários de bicicleta é a reunião de vários escritos do autor ao longo dos últimos anos – de Berlim a Buenos Aires, de Istambul a São Francisco, de Manila a Nova York, entre outras. Num estilo despojado que passeia entre ensaio, relato de viagens, diário pessoal e álbum de fotos, David Byrne registra também suas reflexões sobre uma variedade de assuntos: política, filosofia, música, planejamento urbano, moda, arquitetura local, diferenças culturais, sexualidade, entre outros, sempre com uma mistura muito particular de humildade, curiosidade e bom humor.
David Byrne é mundialmente conhecido por seu trabalho como músico à frente do Talking Heads, banda cult dos anos 80, e por seus álbuns solo e em parceria com Brian Eno, como Everything that happens will happen today, um das colaborações mais recentes. Sob o selo independente Luaka Bop, Byrne foi o responsável por distribuir internacionalmente grandes nomes do que se convencionou chamar de world music (entre os artistas brasileiros, lançou trabalhos de Tom Zé, Yoñlu, +2 e Os Mutantes). Além da música, o artista também encabeça uma série de projetos nas artes plásticas, no teatro e no cinema, colaborando com nomes como Caetano Veloso, Marisa Monte, Thwyla Tharp, Robert Wilson, Jonathan Demme e Bernardo Bertolucci.
Nascido em Dumbarton, na Escócia, em 1952, David Byrne frequentou a Rhode Island School of Design e o Maryland Institute College of Art. Atualmente, vive em Nova York. 

David Byrne ataca na Flip modelo urbanístico 'insustentável'

David Byrne ataca na Flip modelo urbanístico 'insustentável'
Músico escocês, ex-Talking Heads, promoveu livro 'Diários de bicicleta'. Quem esperava ouvir falar sobre música, recebeu aula de cidadania.

Quem esperava ouvir o escocês David Byrne falando na Flip sobre música e os tempos de Talking Heads recebeu uma aula de urbanismo e cidadania. Byrne participou de mesa intitulada "Tour dos trópicos" na tarde deste domingo (10), último dia da Festa Literária de Paraty.

É que ele promove o livro "Diários de bicicleta", relato de suas viagens por variadas cidades do mundo a partir da perspectiva de um ciclista convicto, que começou seus passeios sobre duas rodas nos anos 1980, em Nova York.

"O livro que fiz não é sobre bicicletas", disse Byrne logo no começo de sua palestra. Ele trata de como o modelo atual de urbanismo, em sua opinião, é insustentável. O escocês promove a opinião de que as bicicletas podem ajudar a solucionar esse problema.

"Quanto mais pessoas andam de bicicleta, o número de acidentes com ciclistas diminui", falando sobre o que costuma ouvir sobre São Paulo, considerada uma cidade perigosa para se andar de bicicleta.

Otimista, o ex-Talking Heads disse ainda sobre a capital paulista: "São Paulo tem potencial, é mais verde do que se pensa."

Ao longo de sua fala, exibiu fotografias que tirou durante suas viagens. Mostrou o que chama de "áreas mortas" dos Estados Unidos. Conexões de rodovias, áreas abaixo de viadutos, que afastam as pessoas.

"Muitas dessas áreas deram lugar a estacionamentos. São áreas mortas, onde não há interação humana, não há esportes. E são venenosas, se espalham para regiões vizinhas também", disse.

Em seguida, mostrou exemplos na Europa de cidades em que, apesar de os automóveis não terem sido completamente banidos, as prefeituras tornaram mais difícil sua circulação, fechando ruas apenas para os pedestres. Elogiou Berlim e Amsterdã.

O especialista em urbanismo Eduardo Vasconcellos também participou da conversa, expondo a experiência de quem conhece o exemplo de um país em desenvolvimento. "Nós criamos cidades hostis. A elite precisa do automóvel para sobreviver. No governo, as pessoas têm automóveis. Naturalmente, os decisores optam pelas opções em favor do autómovel", disse.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Byrne fala de bikes em fórum


O ex-vocalista e guitarrista do grupo Talking Heads, David Byrne, volta ao Brasil nesta Feira Internacional Literária de Paraty (Flip), neste sábado (10/07), mas depois faz escala em São Paulo, para para discutir políticas de transportes sustentáveis no fórum Cidades, Bicicletas e o Futuro da Mobilidade, que acontece dia 12/07, às 19h, no Teatro Paulo Autran do Sesc Pinheiros. As inscrições começaram na última sexta (1º).
Byrne antecipa a conversa nesta segunda (04/07), às 23h30, no programa Milênio, da Globo News, que exibe uma entrevista exclusiva com o músico, escritor e ativista, direto de seu ateliê em NY, em meio à arte e sua bicicleta desmontável.
Na palestra no fórum, que contará com o especialista em planejamento urbano e coordenador do Projeto Observatório da Mobilidade Cidadão da Associação Nacional de Transportes Públicos, Eduardo Alcântara Vasconcellos, com o cicloativista Artur Alcorta e o Secretário de Transportes da cidade São Paulo Marcelo Branco, Byrne falará das experiências em seus passeios de bicicleta pelas principais ruas do mundo – tema do livro Diários de Bicicleta (Editora Amarilys, 336 págs, R$49,00).
O músico é apaixonado por ciclismo urbano. "Há décadas tenho usado a bicicleta como principal meio de transporte em Nova York, e percebi que é algo prático e agradável. Desfruto da perspectiva oferecida a quem se locomove de bicicleta pela cidade e também pelos lugares que visito. Gosto da sensação de flutuar e deslizar sem um motor; posso parar e explorar, fazer meu próprio itinerário e tomar o caminho que quiser para chegar a qualquer lugar", conta Byrne.
O Fórum, que também será apresentado na Flip (www.flip.org.br), passará por outras oito cidades da América Latina.
O ingresso para o evento custa R$ 10, as vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas no site www.sescsp.org.br .
Mais informações sobre David Byrne na Flip aqui [LINK http://www.brpress.net/index.php?option=com_content&view=article&id=6036:literatura-comeca-venda-de-ingressos-para-flip-2011&catid=265:literatura-a-livros].

FONTE : 

BICICLETADA ZL JULHO/2011





São aproximadamente 12km da praça do ciclista à Praça Silvio Roméro.

Bicicletada acontece em São Paulo na Praça SILVIO ROMERO (TATUAPÉ)

Praça do Ciclista ( esquina da avenida Paulista com a Consolação ). O encontro começa as 18 horas e saímos em massa critica por volta das 20 horas ocupando as ruas para festejar a bicicleta como meio de transporte.
TODA ÚLTIMA SEXTA FEIRA DO MÊS


Praça Silvio Romero (em frente a igreja e do lado do posto policial, junto ao Sino) O encontro começa as 18h30 horas e saímos em massa critica por volta das 20 horas ocupando as ruas para festejar a bicicleta como meio de transporte.
TODA SEGUNDA SEXTA FEIRA DO MÊS 

A Massa Crítica Paulistana convida as pessoas a ocuparem o espaço público de maneira inteligente. Sempre com muita alegria, pessoas em seus veículos não-motorizados irão comemorar de uma maneira nada tradicional a "Mobilidade" todos cidadãos da cidade.

"Você aí parado, venha comemorar conosco, é o melhor lado!"

Aqui todo mundo é bem vindo, não importa o valor do seu carro ou a grife da sua cueca.

Venha como puder.....


A Bicicletada Paulistana (Critical Mass) acontece sempre na última sexta feira do mês há mais de 8 anos, e em mais de 400 cidades do mundo, simultaneamente. Para participar, a única obrigatoriedade é comparecer ao ponto de encontro com um meio de transporte não motorizado. Pode ser Bicicleta, Patins, Skate ou até mesmo com seus próprios pés.

Não tem bicicleta ou não sabe pedalar ?...sem problemas. Apareça o quanto antes na praça do ciclista e veja como fazer para pegar uma bicicleta emprestada, ou faça uma horinha conosco por lá.


  
Se ainda não conhece venha participar.





[Oficina Temática] 09/06 “Corridas, Tour de France e outras provas”





Não sabe por quê Lance Armstrong adora amarelo? Por quê a França pára pra
ver corridas de bicicleta todo dia no verão? Por quê aquele seu amigo
magrinho adora aquela camisa de cilista branca de bolas vermelhas? Por quê
aquela corrida de bicicleta criada esse ano é chamada de “clássica”? Por,
quê tem um monte de bicicletas de fabricantes diferentes chamadas
“Roubaix”, “Tour”, “Tourmalet”? Porquê tem gente que chama paralelepípedo
de “Pavé”, garrafinha de água de caramanhola ou bidon? Quer entender por
que no final de uma corrida todos chegam quase juntos até que 100 mts
antes do final começa uma correria? O que é um ataque? O que é pelotão, o
que é vácuo, o que é um grande tour e pro quê todo mundo fala do Tour de
France?
Venha entender um pouco melhor o Tour de France e todas as outras grandes
corridas de ciclismo de estrada, que enlouquecem os aficcionados há mais
de 100 anos e influenciaram até outros esportes, até o futebol. Saia da
lanterninha, entre na fuga e apareça!
Palestra com Odir
Sábado dia 9 de julho R Medeiros de Albuquerque, 55 Vila Madalena SP
site oficial, aqui.
links pra assistir ao vivo aqui.
história do tour de france, aqui.

Christian Fittipaldi deixa as pistas para investir no mountain bike brasileiro


Christian Fittipaldi deixa as pistas 



para investir no mountain bike 




brasileiro



Ex-piloto da F1, que fez sucesso na Indy e Nascar, é praticante do esporte radical e projeta centro de treinamento para desenvolver atletas do Brasil


Após encerrar a carreira nas pistas com destaque na Fórmula Indy e na Nascar, o ex-piloto brasileiro da F1 Christian Fittipaldi está à frente de um projeto que busca desenvolver o mountain bike no Brasil. O empresário, sobrinho de Emerson Fittipaldi, está investindo o próprio dinheiro na modalidade radical após verificar que atletas brasileiros do esporte não possuem expressão em competições internacionais (assista ao vídeo).
- Eu acho que é incentivar o esporte, tentar fazê-lo crescer no Brasil e dar o máximo de incentivo para atletas que tem capacidade, mas que por um motivo ou outro não tiveram a mesma oportunidade que eu tive – disse Fittipaldi ao SporTV News.
De volta ao Brasil, o ex-piloto planeja a construção de um centro de treinamento completo. O local vai contar com alojamento, academia, oficina e pistas, na estância climática de Morungaba, a cerca de 100 km de São Paulo. O CT vai abrigar as novas promessas do esporte além de atletas mais experientes.
Um dos objetivos do empreendimento é preparar competidores para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. Mas a equipe brasileira pode conquistar uma vaga na próxima edição, em Londres-2012.
News emerson (Foto: Reprodução SporTV)Christian Fittipalti correu prova de 80 km
(Foto: Reprodução SporTV)
- A gente está dentro da pontuação agora para classificar o país. O Brasil, hoje, está dentro dos países que tem direito a vaga, somos a 19ª nação – disse atleta Marcio Ravelli.
Fred Mariano, mountainbiker de referência entre os competidores brasileiros, ressaltou a qualidade do projeto em São Paulo.
- A equipe veio bem preparada com treinadores e managers, tem toda a parte da estrutura. Isso está ajudando muito.
Para Fittipaldi, o projeto vai além da esperança de ver o Brasil bem representado na modalidade. O ex-piloto é praticante do esporte e recentemente completou uma prova de 80 km.
- É justamente isso que traz uma harmonia, faz um bem, é uma paz, um sossego, é praticamente você com a bicicleta – disse.

FONTE :  http://sportv.globo.com/site/programas/sportv-news/noticia/2011/07/apos-sucesso-nas-pistas-ex-piloto-busca-evoluir-mountain-bike-no-brasil.html


Maior bicicleta articulada (LACRAIA) do mundo presente no Anjo da Guarda Fest - CAMBORIÚ


Maior bicicleta articulada do mundo presente no 

Anjo da Guarda Fest
A bicicleta possui 32 lugares e mede aproximadamente 60 metros de comprimento.

Foto: blog costa verde e mar

O Atlântico Shopping Center, patrocinador oficial do Anjo da Guarda Fest, estará participando do evento, com a maior bicicleta articulada do mundo, a Lacraia. A bicicleta possui 32 lugares e mede aproximadamente 60 metros de comprimento. Atualmente é utilizada como ferramenta de marketing de guerrilha, para ações e divulgação de campanhas do Shopping, tendo um forte impacto visual.

Além da Lacraia, o evento contará com a participação do Atlântico Chopping, um bar móvel com 12 lugares que circula pelas principais avenidas de Balneário Camboriú, regado a muita música e animação, divertindo os turistas e moradores, enquanto clientes pedalam pelas ruas da cidade. Sua criação foi inspirada nos bares ambulantes de Amsterdã, mais conhecidos como Fietscafe.

Sobre o Atlântico Shopping: Desde sua inauguração em 1997, vem mantendo uma relação íntima, de respeito e de importantes conquistas com a população de Balneário Camboriú e seus turistas. A principal característica é o pioneirismo, já que foi o primeiro a investir na cidade, trazendo ao público um novo conceito de compras.

Ao longo desses anos, o Atlântico Shopping adquiriu o respeito, a confiança e, principalmente, a fidelização de seus consumidores. Um público eclético e democrático, que é atraído pela facilidade de acesso e variedade de lojas, afinal, são dois pisos de estacionamento e mais de 147 opções de compras e serviços.

Sobre o Anjo da Guarda Fest: O Anjo da Guarda Fest, maior evento multitemático militar da América do Sul, acontecerá na Avenida Atlântica, esquina com Rua 4800, Barra Sul, em Balneário Camboriú, litoral Norte de Santa Catarina. O evento contará com exposições de viaturas militares de combate, armamentos, desfiles, palestras, ambientes temáticos, shows com aviões acrobáticos, paraquedismo e demonstrações de busca e salvamento com helicópteros militares, navio e embarcações das Forças Armadas.

A visitação acontece nos dias 09 e 10 de julho de 2011, das 08 às 18 horas, e terá entrada gratuita.

FONTE : http://www.manchetedovale.com.br/noticias/cidades/10788/04/07/2011/maior-bicicleta-articulada-do-mundo-presente-no-anjo-da-guarda-fest.html